Morte encomendada: médico assassinado em clínica teria assediado esposa de mandante do crime
.


Após quatro dias do homicídio do médico pediatra Júlio César de Queiroz Teixeira, 44, as investigações da Polícia Civil da Bahia concluíram que o mandante do homicídio alegou que a vítima teria cometido um suposto assédio contra sua esposa. De acordo com a polícia, uma dupla foi contratada por R$ 2 mil para matar o médico.  

Ainda conforme a PC, o suspeito de ser o autor dos disparos foi preso na segunda-feira (27) e o condutor da motocicleta utilizada no homicídio, na madrugada desta terça-feira (28). A moto e o capacete utilizados no crime foram apreendidos. Segundo o titular da DT/Barra, delegado Jenivaldo Rodrigues, contratados para matar o médico, os homens confessaram o crime e informaram que cada um recebeu a quantia de R$ 2 mil para executar a vítima.

De acordo com o coordenador da 14ª Coorpin/Irecê, delegado Ernandes Reis Santos Júnior, o crime foi encomendado por um homem que seria companheiro de uma paciente. “Conforme apurado nas investigações, o mandante do homicídio alegou que a vítima teria cometido um suposto assédio a sua esposa e por esse motivo determinou a morte do médico”, detalhou. 

As equipes continuam realizando diligências para localizar e prender o mandante do crime. 

O crime tem sido elucidado através de um trabalho conjunto realizado por policiais da Delegacia Territorial (DT) do município de Barra e da Coordenadoria Regional de Polícia do Interior (14ª Coorpin/Irecê), com o apoio da Coordenação de Apoio Técnico à Investigação, do Departamento de Polícia do Interior (Cati/Depin).

Fonte: BNews
Postagem Anterior Próxima Postagem