Morte encomendada: médico assassinado em clínica teria assediado esposa de mandante do crime

 



Após quatro dias do homicídio do médico pediatra Júlio César de Queiroz Teixeira, 44, as investigações da Polícia Civil da Bahia concluíram que o mandante do homicídio alegou que a vítima teria cometido um suposto assédio contra sua esposa. De acordo com a polícia, uma dupla foi contratada por R$ 2 mil para matar o médico.  

Ainda conforme a PC, o suspeito de ser o autor dos disparos foi preso na segunda-feira (27) e o condutor da motocicleta utilizada no homicídio, na madrugada desta terça-feira (28). A moto e o capacete utilizados no crime foram apreendidos. Segundo o titular da DT/Barra, delegado Jenivaldo Rodrigues, contratados para matar o médico, os homens confessaram o crime e informaram que cada um recebeu a quantia de R$ 2 mil para executar a vítima.

De acordo com o coordenador da 14ª Coorpin/Irecê, delegado Ernandes Reis Santos Júnior, o crime foi encomendado por um homem que seria companheiro de uma paciente. “Conforme apurado nas investigações, o mandante do homicídio alegou que a vítima teria cometido um suposto assédio a sua esposa e por esse motivo determinou a morte do médico”, detalhou. 

As equipes continuam realizando diligências para localizar e prender o mandante do crime. 

O crime tem sido elucidado através de um trabalho conjunto realizado por policiais da Delegacia Territorial (DT) do município de Barra e da Coordenadoria Regional de Polícia do Interior (14ª Coorpin/Irecê), com o apoio da Coordenação de Apoio Técnico à Investigação, do Departamento de Polícia do Interior (Cati/Depin).

Fonte: BNews
Postagem Anterior Próxima Postagem