O crescimento urbano de Salvador

Uma análise sobre o ponto de vista de três grandes bairros da capital baiana.


O crescimento urbano das cidades grandes tem sido notado de forma expressiva no Brasil. Em Salvador, para qualquer pesquisador que queira atuar analisando este ângulo da realidade dos bairros, surge de forma iminente um problema sério.


Este problema reside no fato de que, embora os seus habitantes vivam a cidade de acordo com a lógica de cada bairro, a capital baiana não possui uma delimitação geográfica dos mesmos em nenhum dos órgãos oficiais (e não oficias) do município.


No entanto, mesmo diante desta realidade, é possível analisar de forma histórica e econômica o processo de crescimento de Salvador a partir da observação da mudança vista em alguns bairros, como nos da Barra, do Cabula e de Itapuã.


Cabula


A população do Cabula tem crescido de forma rápida nos últimos anos, o que evidencia como Salvador tem sofrido realmente com um ágil crescimento urbano no "miolo" central do município, onde está localizado o bairro.


Pesquisas recentes revelam que a região tem apresentado números proporcionalmente sempre superiores às da capital baiana como um todo, o que concede à região uma dinâmica mais diferenciada do restante da cidade. Alugar apartamento no Cabula é realmente escolher um viver mais perto das pessoas e de movimento!


Caracterizado como um dos maiores eixos de expansão de Salvador nos dias atuais, Cabula tem os seus moradores distribuídos em tipos diferentes de ocupação residencial, como loteamentos legais e ilegais, parcelações, invasões e conjuntos habitacionais de iniciativas privada e pública.


No entanto, não é certo considerar que haja ocupação desordenada por aqui. Mesmo com o seu crescimento exponencial, Cabula é hoje um grande exemplo de bairro popular na capital baiana, onde é possível encontrar de tudo!


Com raízes históricas provenientes de séculos passados, o Cabula sofreu uma transformação grande nas últimas quatro décadas, e segue bastante atraente para empresas estatais e privadas dos portes mais variados. E alugar apartamento no Cabula se tornou algo ainda mais procurado pelos baianos.


O grau de atratividade se ampliou ainda mais após o fim das obras da Avenida Luís Eduardo Magalhães, em 2020, e deve se ampliar ainda mais após o fim das obras do metrô, que irá favorecer o trânsito no local, as suas conexões com as demais localidades soteropolitanas e com cidades circunvizinhas também.


Barra

O bairro da Barra é um exemplo interessante de ser citado quando falamos no crescimento urbano de Salvador, pois mostra como a cidade conseguiu manter a sua história preservada mesmo com o grande aumento populacional que sofreu.


Na região, várias edificações do patrimônio cultural e histórico brasileiros continuam até hoje, apesar de ter registrado mudanças nas suas funcionalidades. As modificações urbanas foram grandes, e junto com a arquitetura atestam o quanto importaram para o município. 


A criação de importantes avenidas no século passado objetivava a expansão de Salvador e a interligação da Barra com outras regiões, o que foi efetivado e acabou por valorizar e dinamizar a área. 


As transformações registradas na segunda metade do século passado ajudaram a valorizar os imóveis das redondezas e confirmam até hoje a Barra como um lugar único com os seus empreendimentos de serviços e comerciais expressivos usufruídos pela elite dos soteropolitanos. 


A Avenida Oceânica merece destaque, pois foi o point de encontro e lazer mais popular de Salvador até os anos 80 e tem ainda hoje muitos projetos bonitos de apartamento na Barra para se morar. 


Após o Projeto de Requalificação da Orla da Barra, realizado nesta última década, a região passou a atrair milhares de turistas todos os anos com as expressivas festas populares que passaram a ocorrer na região, como o Carnaval. A busca por apartamento na Barra também cresceu com este atrativo.


Itapuã

Ao analisar o bairro de Itapuã, é possível debater o crescimento urbano da orla marítima de Salvador, que só a partir da década de 1980 que começou a perceber um aumento populacional na região.


A intensificação dessa ocupação deu-se principalmente devido à implantação de vários conjuntos habitacionais com recursos do Banco Nacional de Habitação, o BNH, tendo à frente a URBIS, órgão estadual responsável pela implantação dos conjuntos habitacionais.


Esse fato refletiu-se também na intensificação da ocupação da orla oceânica até as imediações de Itapuã. Devido às restrições de uso e o elevado preço do transporte público ao longo das décadas de 70 e 80, a orla Marítima de Salvador sofreu um processo de ocupação menos intenso.


No entanto, os bairros da Boca do Rio e de Itapuã que, no início do século passado já apresentavam uma certa ocupação, ainda que rarefeita, sofreram uma maior intensificação na ocupação de suas áreas.


A partir dos anos 50 do século passado, a capital baiana apresentou um aumento populacional ainda mais considerável. Nesse período, o crescimento urbano já acompanhava o sentido da orla marítima.


Como parte integrante do Plano Rodoviário do Estado da Bahia, foi construída a Avenida Amaralina, que se ligava à Avenida Oceânica. A oferta de casas à venda em Itapuã começou a aumentar ainda mais a partir daí.


Esta nova via cruzava uma vasta faixa desocupada, indo da Pituba até Itapuã, o que atraiu ainda mais um novo contingente populacional para a Boca do Rio. Esse contingente populacional novo que aportava no bairro provinha basicamente de dois segmentos.


De um lado havia a população resultante do êxodo rural empobrecida, que migrara motivada pelo progresso que a capital baiana vinha tendo desde os anos 50 com o petróleo. Não havia, no entanto, para esse segmento, grandes possibilidades de inserção na economia local.


Do outro lado, também via-se chegar ao bairro várias pessoas residentes na própria cidade de Salvador que estavam excluídas do padrão formal de ocupação urbana - homens e mulheres que, devido à carência habitacional e à situação econômica em que se encontravam, ocupavam, via processo de invasão, terrenos nas áreas desprovidas de infraestrutura urbana básica, construindo

moradias precárias. 


Hoje, no entanto, Itapuã tornou-se um grande exemplo de bairro com moradias excelentes para se morar e uma praia que faz mesmo jus à música que Toquinho escreveu ainda em 1977, porém que até hoje faz muito sentido quando visitamos o local.


E então, ficou com vontade de ver casas à venda em Itapuã? Realmente não só em Itapuã, como em todos os bairros citados neste artigo há muitas opções de moradia a se considerar!


Se gostou deste conteúdo, por favor siga-nos nas redes sociais para ficar por dentro de mais informações de qualidade!


 Imagem: Pixabay




Postagem Anterior Próxima Postagem
Instagram Siga o Ruy Barbosa Notícias no Instagram

correspond