Estudantes de Ruy Barbosa participam de oficinas de audiovisual com foco nos itinerários formativos da BNCC


Uma nova experiência de aprendizagem no campo do audiovisual foi iniciada pela comunidade escolar do Colégio Estadual Professor Magalhães Neto (CEMAN), localizado no município de Ruy Barbosa (a 322 km de Salvador), nesta quinta-feira (29). Trata-se do workshop “Produção audiovisual” e do “Hackathon – um desafio de produção de vídeo”, promovidos pela Secretaria da Educação do Estado, por meio do projeto Escolas Culturais. Com esta oportunidade, os participantes poderão contar a história de sua cidade, envolvendo temáticas como identidade, protagonismo, autoestima e fortalecimento dos itinerários formativos, conforme prevê a Base Nacional Comum Curricular (BNCC).


No primeiro dia, o workshop foi realizado a partir da abordagem de conteúdo das diversas áreas do conhecimento, como História, Geografia e Sociologia. Já no “Hackathon”, que acontece nesta sexta e no sábado (30 e 31), os estudantes irão emergir na prática audiovisual, aprendendo conceitos ligados à produção, à gravação e a roteiro, além da realização das filmagens e edição dos vídeos, utilizando os equipamentos disponibilizados pelo projeto Escolas Culturais e os dispositivos móveis dos participantes.


“O workshop foi aberto a toda comunidade escolar interessada em conhecer a produção audiovisual. Para o hackaton, houve uma inscrição limitada a 40 estudantes, para que tivéssemos uma formação eficaz. Os alunos vão poder aprender conceitos voltados para o audiovisual com temáticas da sua realidade, algo que a rede estadual vem se adaptando neste processo do novo currículo do BNCC. Esta ação faz parte de uma série que estamos desenvolvendo e já temos confirmada em Saubara, Cachoeira, Eunápolis, Livramento de Nossa Senhora e Rodelas”, destacou a coordenadora de Tecnologias e Audiovisual da SEC, Carla Almeida, que ministra as atividades, junto à professora de audiovisual da rede estadual, Fátima Coelho.


A estudante Naiara Torres, 15 anos, vislumbra a formação como uma oportunidade ímpar de se aperfeiçoar na área do audiovisual. “Estou muito entusiasmada com esta chance de participar da atividade. Mesmo já trabalhando com algumas tecnologias na produção de slides e pequenos vídeos, poderemos conhecer mais os conceitos desta prática. E ainda teremos a condição de ajudar os colegas que precisarem de uma ajuda me projetos escolares”, destacou.


Para a estudante Aline Torres, 15, a atividade possibilita que os alunos estejam envolvidos com as novas tecnologias. “É uma realidade que precisamos acompanhar, porque até nos trabalhos de escola e extra-classe, às vezes, são pedidos vídeos. E quanto melhor estivermos preparados, melhor será o nosso desempenho”, ressaltou.        


Escolas Culturais


Lançado em 2017, o projeto Escolas Culturais é resultado de parceria entre as secretarias da Educação (SEC), da Cultura (SECULT) e da Justiça, Direitos Humanos e Desenvolvimento Social (SJDHDS), além da Casa Civil, e já foi implantado em 85 unidades escolares em toda Bahia. O projeto incrementa a arte e a cultura no currículo aliada à oferta de cursos de qualificação e formação profissional nas respectivas áreas, além de integrar a escola com a comunidade e fomentar a arte e a cultura no território na qual a escola está inserida.


Fotos: Divulgação




Postagem Anterior Próxima Postagem

correspond